terça-feira, 4 de maio de 2010

Leopoldo Lima

O Lanches Paulista, restaurante que ficava localizado onde hoje é o Pinguim, ao lado do Theatro Pedro II, tinha no fundo, ao lado do seu salão princípal, um balcão grande, onde eram servidos os pratos rápidos, ou pratos do dia. Foi ali, almoçando no balcãozinho do LP, que eu vi, pela primeira vez, o Leopoldo Lima. Meu pai, fez questão de chamá-lo, me apresentar e mostrar os seus quadros. Eu fiquei olhando aquele homem com cara e jeito de artista. Alto, olhos bem claros, cabelos sem pentear, meio avermelhado, pele clara queimada de sol e uma barba serrada, completamente sem cuidado. Depois fiquei encantado com seus quadros e os admirei por um bom tempo.
Estou com 55 anos, este encontro aconteceu, eu tevia ter 12 anos. Nestes 43 anos, nunca vi um trabalho nem parecido com o do Leopoldo. A grande maioria dos trabalhos que vejo em madeira, tanto de escultores, como de pessoas que trabalham com pirógrafo, não têm a profundidade, perspectiva, ou textura que Leopoldo deixou nas suas obras. Além disso, os trabalhos do Leopoldo Lima, até hoje, são extremamente sensíveis e críticos com a realidade brasileira, por isso, obras muito vivas.
Na praça XV, Leopoldo chegava, esticava um varal e pendurava seus quadros. Ele fazia o trabalho de arte, que envolvia desenhos, entalhes com pedaços de vidro, formão, lixas e pirógrafo. Depois fazia a moldura e por fim, escrevia no verso poemas e textos que nunca eram bem compreendidos pelas autoridades da época. Volta e meia, Leopoldo era obrigado a desmontar sua exposição, ou então, era levado preso.
Como toda personalidade forte e marcante, Leopoldo tinha grandes amigos e grandes inimigos. Era difícil você encontrar alguém que fosse indiferente ao Leopoldo, suas possições e trabalho. Ele ficou famoso naquela época por não vender seus quadros. Só na última hora, quando sua mulher, a Cleusa, ficava muito brava, porque estavam passando necessidades, aí ele vendia uma obra. Varias residências chiques de Ribeirão Preto possuem uma obra do Leopoldo comprado numa dessas horas.
Uma vez, depois de terem amolado muito o Leopoldo para vender uma obra a um interessado, ele ficou revoltado e quebrou a arte inteira. Outra vez, ele fez uma fogueira com varias obras, por estar indignado com algum acontecimento na cidade. Fora isso, Leopoldo deixou um filho sem nome. Em casa, todos o chamavam de Oi, e a explicação era que ele iria escolher o nome quando tivesse idade e entendimento. Fiquei sabendo agora, que o nome escolhido foi Fernando.
Fui na casa dele por umas 3, 4 vezes. Ele gostava do meu pai e sempre me recebia muito bem. Eu ficava lá feito bobo, olhava um quadro, viajava por outro, fazia perguntas e via aquela loucura toda como um outro mundo, outro universo. Cheguei até a comprar um pirógrafo e fiz alguns trabalhos, mas percebi que para chegar perto do trabalho do Leopoldo, iria ser necessário estudar muito.
Os anos foram passando, Leopoldo nunca foi reconhecido por sua arte. Durante um período Leopoldo foi trabalhar em Osasco, acabou voltando pra Ribeirão onde andava muito pelas ruas, passava pela casa dos amigos, mas tornou-se um folclore. Acabou falecendo triste e quase esquecido.
Acho que Leopoldo Lima ainda será descoberto, porque a sua obra é muito mais rica do que imaginamos.
Estes quadros são parte do acervo que é mantido pela Cleusa, sua companheira de uma vida.

10 comentários:

  1. Grande Lau, sempre distribuindo alegria e fazendo justiça. Leopoldo merece e os louco...agradece.

    ResponderExcluir
  2. Lau, querido!

    Belíssima homenagem ao Leopoldo, grande

    "artista nato"...

    Sou "fanzoca" do seu blog...bj! tétis!

    ResponderExcluir
  3. Olá Lau,
    sou atriz e estou a pouco tempo em Ribeirão e hoje um amigo me contou sobre o Leopoldo e ao procurar na internet mais informações encontrei seu site... gostaria muito de ver as obras dele, como encontro a Cleusa?
    Grata
    Fabiana Fonseca

    ResponderExcluir
  4. Morando em BH e buscando relembrar Ribeirão lembrei-me de Leopoldo. Buscando em minha máquina encontrei este blog. Bonita homenagem. Morei perto de Leopoldo, na Dom Alberto Gonçalves e "bati" bons papos com ele, sempre agachado na calçada olhando longe. Eu o admirava.
    Acho que teve dois filhos sem nome...
    obrigado Lau

    ResponderExcluir
  5. Vc sabe o valor material de uma obra do Leopoldo?
    E se for auto retrato?

    ResponderExcluir
  6. Não sei, não tenho idéia, mas vale muito.

    ResponderExcluir
  7. Fernando Battistetti6 de março de 2013 02:44

    Pessoal, fiquei muito emocionado com esse texto, sou filho do Leopoldo, um dos sem nome que hoje se chama Fernando. Meuus telefones caso alguem queira conversar sobre ele são: 16-91444624 ou 11-78615316, um grande abraço em cada um de vocês.

    Fernando Battistetti

    ResponderExcluir
  8. marcos olá tenho uma obra pintada e assinada pelo leopoldo lima de março de 1959 , e estou disposto a vender , meu telefone (17)91420537 , nova aliança s.p.

    ResponderExcluir
  9. Olá Lau, muito prazer.
    Eu me chamo Merikol, moro em São Paulo.
    E a poucos meses, conheci o "filho sem nome" do Leopoldo e da Sra. Cleusa. Fiquei encantada com a história. E o filho sem nome, hoje, se chama Fernando, é um ser lindo por dentro e por fora.
    Tive pouco contato com ele. Lamento a distância. Espero que um dia possamos nos reencontrar. Quem sabe, nas "muralhas da China".

    Um forte abraço e parabéns pelo blog.

    ResponderExcluir