quarta-feira, 4 de agosto de 2010

Carlos Drummond de Andrade

A Vida Menor
"A fuga do real,
ainda mais longe
a fuga do feérico,
...mais longe de tudo,
a fuga de si mesmo,
a fuga da fuga, o exílio
sem água e palavra,
a perda voluntária de amor
e memória,
o eco
já não correspondendo ao apelo,
e este fundindo-se a mão
tornando-se enorme e desaparecendo
desfigurada, todos os gestos afinal
impossíveis... senão inúteis,
Não a morte, contudo..."

Um comentário:

  1. Gosto tanto de Drummond...estes poetas e suas almas tão lindas!

    ResponderExcluir